Notícias

11 de julho de 2017

Governo do RN promete fechar sete hospitais regionais em até 120 dias


Em acordo firmado com o Ministério Público do RN, o governo Robinson promete implementar “cronograma de desativação” para fechar hospitais regionais de Acari, Angicos, Apodi, Canguaretama, Caraúbas, João Câmara e São Paulo do Potengi - em até 120 dias.

O governo Robinson ataca novamente os hospitais regionais do Rio Grande do Norte. Repetindo o trajeto que levou ao fechamento do Hospital da Mulher em 2016, o Governo negocia com o Judiciário autorização para desativar os Hospitais Regionais, ou senão alguma forma de parar de investir recursos nestes, como a municipalização (que também significaria o fechamento, pois os municípios são entes federados com ainda menos recursos que o Estado).

Em Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado entre o Ministério Público e o Governo do Estado do Rio Grande do Norte, o Estado “demonstrou descumprir, em todos os seus hospitais regionais e unidades de saúde, as normas laborais referentes à proteção da saúde, segurança e higiene dos profissionais que neles laboram”.

Ao assumir sua responsabilidade sobre o caos generalizado que se encontra a saúde pública do Estado do RN, o Governo deveria atuar para melhorar e investir recursos nos locais em que o orçamento está escasso. Muito pelo contrário, o Governo está utilizando seu próprio descaso para com a saúde pública como um argumento para desativar sete hospitais regionais no interior do Estado!

Tomar as ruas em defesa dos hospitais regionais
Os diferentes níveis de governo tem uma característica comum: todos sucateiam os serviços públicos e cortam os poucos direitos do povo pobre. A política de fechamento dos hospitais regionais é parte do receituário neoliberal que quer fazer a classe trabalhadora pagar pela crise. Saúde pública, educação, moradia, etc. não são prioridades para estes governos: por um outro lado o governo toma como prioridade máxima o pagamento de juros da dívida pública aos banqueiros – que consome mais da metade do orçamento nacional.      
      
No final de 2016, o Governo também ameaçou fechar ou municipalizar o Hospital de Apodi em até 30 dias. A população, que não havia esquecido do fechamento recente do Hospital da Polícia e do Hospital da Mulher, tomou as ruas de Apodi em uma manifestação massiva convocada pelo Sindsaúde que fez o governo desconversar. De lá para cá, o governo deu uma trégua, mas voltou com tudo para cumprir sua missão de fechar os hospitais regionais do interior. O Sindsaúde Mossoró se mantém firme na defesa do SUS por nenhum hospital a menos. Seguiremos lutando lado-a-lado com a população indignada, em defesa da saúde pública e dos direitos da população.

 

Autor: Sindsaúde Mossoró

Boletim Eletrônico

  • Digite o código: 3093

  •